terça-feira, 29 de março de 2011

Novas amizades!

Esse fim de semana foi heavy!
Desde quinta feira fiquei na função de pajear um casal de turcos que vieram ao Brasil.
Conheci o casal em Istanbul em dezembro, levei um presente que minha amiga mandou pra eles. Quando cheguei no hotel lá em istanbul,  eu avisei que deixaria o presente na recepção. Na minha cabeça eu só faria um favor para minha amiga, não tinha a intenção de conhece-los,  não gosto de incomodar ninguém nas minhas andanças.
Mas Ata, o turco, quis falar com a gente, indicou um restaurante e foi nos encontrar lá com sua esposa, a Selda.
E assim nascia uma amizade que espero que dure por muitos anos.
sabe gente que parece que você conhece há anos?
Assim são os Eremsoy.
Pajearam a gente durante nossa estadia lá, foram ótima companhia.
Quando eles chegaram, quis retribuir.
Fiz um jantar aqui em casa na quinta e nos outros dias levamos eles para conhecer um pouco de São Paulo.
E eles são super queridos.
E fico pensando como é bom conhecer gente do bem a essa altura da vida né? Porque a partir de uma certa idade você só mantém as amizades que tinha, não faz novos amigos. Até conhece gente nova pelo meio do caminho mas, amizade mesmo, é mais difícil.
Então eu me considero uma pessoa de sorte porque, ultimamente, tenho conhecido muita gente legal. Gente que virou amiga mesmo.
E se eu juntar os amigos que tenho e os amigos novos, posso me considerar uma pessoa de sorte.



domingo, 20 de março de 2011

Inveja mata?

Diz no Wikipédia :

inveja é um dos sete pecados capitais na tradição Católica. É considerado pecado porque uma pessoa invejosa ignora suas próprias bençãos e prioriza o status de outra pessoa no lugar do próprio crescimento espiritual.
É o desejo exagerado por posses, status, habilidades e tudo que outra pessoa tem e consegue. O invejoso ignora tudo o que é e possui para cobiçar o que é do próximo.
E porque eu resolvi falar sobre isso?
Porque ultimamente eu tenho visto muita coisa que me assusta, muita maldade, muita inveja.
Como sou apaixonada por moda, leio vários blogs, sites, revistas, livros, enfim, tudo relacionado ao assunto. Nesse universo da "blogosfera" existem blogs ótimos, medíocres, bem sucedidos e fracassados. Nem sempre os melhores são os mais bem sucedidos e vice versa.
E é exatamente aí que o bicho pega...
As redes sociais são ferramentas perfeitas para as invejosas (a.k.a covardes) destilarem seus venenos em cima daquelas que julgam ser a razão do seu fracasso. Digo covardes porque, na maioria das vezes, estão escondidas atrás de perfis falsos.
Como a minha amiga Sil descreveu brilhantemente nesse post aqui , calúnia é crime!
E o pior de tudo isso é que, quanto maior o sucesso do outro, maior a inveja da pessoa.
Tenho um sentimento em relação a essas pessoas, pena! pena porque, na maioria das vezes, a vítima nem sabe que ela existe, nem sequer desconfia da sua existência, o que torna tudo muito mais triste, sem sentido.
No post anterior a esse, onde coloquei um aviso para as pessoas que param em vagas de deficientes, teve um comentário ( anônimo, óbvio) me chamando de idiota. Eu ri, essa foi a minha reação. Meu blog não é famoso, não tem patrocinador e eu não ganho dinheiro com ele, infelizmente né? ( mas estamos aí patrocinadores e anunciantes) , mesmo assim uma pessoa se dignou a entrar nele e me chamar de idiota.
O que eu acho disso? me sinto lisonjeada ( descobri que escreve com g ou com j )  por saber que eu incomodo alguém, que alguém queria ser eu, que alguém tem inveja de mim.
Eu que achava minha vidinha tão normal acabei por descobrir que existe gente que acha minha vida o máximo e por isso me inveja. Sim, me inveja porque se não me invejasse não viria anonimamente no meu blog me agredir, certo?
Então eu cheguei a conclusão que esses comentários que leio por aí, esses perfis falsos que passam o dia falando mal e inventando calúnias das pessoas, não estão fazendo nada além do que alimentar o sucesso do outro, elevar sua auto estima.
Sim, porque no meu caso, fiquei feliz em saber que incomodo alguém.
Por isso, volte sempre anônimo!









terça-feira, 15 de março de 2011

Você tem medo de dizer eu te amo?

O Japão e suas vítimas...

Uma das milhares de imagens tristes da tragédia no Japão.
Um urso panda apavorado grudado na perna de um policial.


Bruna Surfistinha

Sim, eu assisti o filme da Bruna Surfistinha.
Não, eu não fui ao cinema, eu "abaixei ", como diz uma amiga minha, e assisti no conforto do meu lar.
Vamos lá, o filme é... bem , o filme é.... uma putaria só!
Desculpem mas eu juro que tentei achar palavras para descrever. Poderia ter dito que o filme retrata a busca de uma menina carente pelo amor paterno. Ou dizer que, assim como muitos, tudo que Rachel buscava era seu lugar em núcleo familiar  fechado e nada carinhoso. E blá blá blá...
Mas não, o filme é putaria e pronto!
Mostra uma menina chata e mal agradecida que nunca tentou se encaixar na família que acolheu ela.
Não consigo entender todo esse glamour em torno da vida de Rachel (verdadeiro nome de Bruna).
Conheço exemplos muito mais bem sucedidos que o dela e que tiveram um final muito mais feliz que o dela.
Não estou sendo nem um pouco moralista, cada um faz o que quiser da sua vida e dá para quem quiser.
Só não entendo o que fez essa menina fazer tanto sucesso.
Porque ela era de uma família de classe média?
Conheço outros casos.
Porque ela era adotada?
Não justifica.
Porque ela era nova?
Sei que existem casos de meninas que começam mais novas do que ela.
Enfim, a Bruna além do mais é feia demais da conta. Diria até horrorosa.
A participação dela como hostess de um restaurante no filme é a maior vergonha alheia do cinema nacional.
Fucei no google a ex mulher do atual marido dela, aquele que era cliente e acabou casando com ela. Qual não foi a minha surpresa ao constatar que a mulher é linda, bacana e inteligente.
Ou seja, esse ex marido além de tudo deve ser um babaca!
O bom do filme?
Uma Deborah Secco deslumbrante, linda e com um corpo de fazer qualquer uma cortar os pulsos.
Se fosse nos USA ela estaria concorrendo a algum prêmio com toda certeza.
Então é isso, quer assistir o filme? Vá, mas vá pela Deborah Secco .




Moda para homem!

Quem disse que eles não podem ser antenados?
Quem disse que eles não podem usar as últimas tendências desfiladas nas passarelas?
Chega de mesmice, porque o homem de verdade também pode ser fashion.
Segue um belo exemplo.

Foto retirada do site Stockholm Street Style






segunda-feira, 14 de março de 2011

Grudou, e agora?

Should I stay ou should I go?


Muji

Em Madrid conheci a loja japonesa Muji. Nunca tinha ouvido falar mas a @paola_scott já conhecia e entramos.
Enlouqueci na loja.
Basicamente é uma loja de organizadores, tem de tudo um pouco.
Caixas de tudo quanto é tipo, necessaires, vidrinhos, enfim, tudo que você precisa para organizar a sua vida, a sua viagem, etc...
Tem também uma linha de móveis e roupas que, apesar de básicas são lindas e super confortáveis.
Nos Estados Unidos ela só tem em Nova York, mas tem em vários lugares da Europa.
Se quiser saber, entra aqui !
Então, fica a dica!!!
Visite a Muji e organize sua vida!







Agora é oficial, o ano começou!

Uma vez eu li que agora começa aquela intervalo insuportável entre o carnaval e o reveillon.
Alguém mais concorda?
Bom...
Meu carnaval foi MARAVILHOSO!
Fui para Madrid com a minha família e a da Bigu (@paola_scott).
Caí de amores por Madrid, que cidade linda.
Eu já tinha ido a Barcelona mas não tinha me apaixonado. Madrid é diferente, Madrid é de capotar.
Fiquei impressionada com a limpeza da cidade, é quase difícil encontrar bitucas de cigarro nas ruas.
Igualzinho aqui né?
Um dia fomos a Toledo, uma cidade medieval bem pertinho de Madrid e igualmente linda.
O que fizemos por lá?
Comemos, bebemos e batemos perna o dia inteiro.
Meu "pajeísmo" estava de férias e o tempo ajudou, os dias estavam lindos e só choveu um dia.
Enfim, foi bom demais mas eu já estou de volta.
E a seguir imagens que valem mais que mil palavras



Fiquei louca por essa lixeira, por isso Madrid é tão limpa.




Madrilenha tomando um solzinho na Plaza Mayor

Catedral de Marzipan em doceria de Toledo

Toledo


Toledo





sexta-feira, 4 de março de 2011

Já é carnaval!

Durante anos da minha vida eu, como boa baiana, fui doente por carnaval.
Não falo de qualquer carnaval, falo do carnaval de Salvador.
Que me desculpem as minhas amigas cariocas, pernambucanas , paulistas mas, na minha opinião, não existe outro carnaval.
É em Salvador e pronto!
Hoje em dia não vou mais, talvez ano que vem eu apareça, ando com saudades apesar de nem morrer mais de amores pelo axé.
Gosto só do Asa de Águia, amo!
Já fui ao Rio nas campeãs e ....check!
Achei legal, achei divertido mas, sei lá aquela mesma música tocando durante 45 minutos me cansa um pouco.
Aquele bando de mulher pelada passando também me cansa.
Enfim, fica aqui meu desejo de um carnaval maravilhoso para todo mundo e que, se alguma dia tiver a oportunidade, vá a Bahia, vá a Salvador no carnaval e seja feliz!

quarta-feira, 2 de março de 2011

Tchau Diogo

Logo que começou o BBB 11 eu descobri que um dos participantes era filho de uma amiga "das antigas".
Era a deixa que eu precisava para torna-lo meu candidato ao prêmio de R$1500000.
Era ele, o DiogRo, o Gago!
Mas o tempo passou, o programa rolou e ele mostrou quem era.
Esse moço, o Diogo, é um dos seres mais absurdamente nojentos que já conheci em toda minha vida.
Mal educado, politicamente incorreto, racista, ignorante, burro e grosso.
Se eu esqueci alguma coisa me recordem por favor.
Lembro da mãe dele, apesar de ser mais velha que eu, era uma amiga próxima e super querida.
Uma vez ela veio me visitar em São Paulo com o filho pequeno. Essa criança destruiu minha casa, me tirou do eixo. Destruiu toda a vontade que eu tinha de ter filhos, passei a odiar crianças por causa dele.
Criei trauma.
A coitada da minha filha que era apenas um bebê virou objeto do meu pânico, meu maior pesadelo.
Haveria a possibilidade dela se transformar naquele menino horroroso?
Depois caí na real e vi que era impossível, ninguém era igual aquela criança, não haviam dois Diogos no mundo.
Era exclusividade dele!
Queria saber o que acontece no meio do caminho de uma pessoa para criar filho assim. Esse menino não tem respeito por nada e ninguém, só olha para o próprio umbigo.
No dia da eliminação ela nem foi buscar o filho, será que ficou com vergonha dos absurdos que ele falou?
Eu também não iria e não por vergonha do meu filho, mas por vergonha de mim mesma.
Vergonha do Brasil ter descoberto que eu criei aquele monstro.
Que aquilo tudo é culpa minha.
Vergonha de não ter sabido educar meu filho e tê-lo transformado num ser humano melhor.
Vergonha de ouvir meu filho falar para uma colega de confinamento que, apesar de negra, ela cheirava como branca.
Vergonha de ver meu filho chamar uma outra colega de "puta gorda".
Enfim, vergonha, muita vergonha!